Será mesmo? 

  Interligo o passado de sonhos ao presente repleto de saldos negativos. A criança que ansiava iniciar um voo a partir de mim trocou-me quando adulto pelo místico do dinheiro. As asas se transformaram junto com a ganância, creio eu.
  Nunca utilizei a força física para atraí-los. A minha força está na fragilidade. Pois, não apresento segurança aos meus condutores, um quilo a mais pode arremessá-los ao chão. No entanto, dissemino inconstância.
  Nisto, ela aconteceu. O antídoto para as cinzas do mundo repousa na própria. Ela enxerga unicórnios e não se desanima com a demissão do emprego por compreender valor de estar. Receio perder o meu posto para ela. As pessoas regressam ao passado comigo, lembrando-se da época de fadas e planos infalíveis. No entanto, ela faz as pessoas sentirem a mágica do simples presente em um boleto pago.
  E não. Suas mãos com unhas pintadas de amarelo me tocando, os pés descalços na grama abaixo de mim e o seu sorriso quando a derrubei não me impressionaram. Talvez pela distância ente nós, sendo ela humana e eu um mero balanço… Mas, apaixonei-me por ela estar no presente desencadeando dúvidas em minhas convicções.

tumblr_linq7cVQ9o1qeprt6o1_500_large

Texto de Amanda F. Queiroz