Netflix, o que dizer? Além do meu amor por ela, é claro. Para não deixar o Ei parado, resolvi responder partes dessa tag criada por  A Darker Shade Of Whitney que vi no blog Cachola Literária. (Friends abaixo por motivos de ótima trilha sonora.)

1. Recentemente assistidos: o último livro que você terminou de ler.

Cidade do sol, de Khaled Hosseini. Irei resumi-lo em breves palavras: A dor que as mulheres do Oriente Médio suportam, refugiados afegãos, talibãs e, para completar: Superação. Quem se interessar, leia mais sobre ele clicando aqui.

2. Principais escolhas para você: um livro recomendado a você baseado em suas leituras anteriores:

Coloquei: O lado bom da vida no Submarino. Apareceu então, Caixa de pássaros, de Josh Malerman. O que é irônico, considerando que esperamos algo com aspecto mais positivo ao se tratar de O lado bom da vida. No entanto, aparenta ser uma ótima leitura. 

Basta uma olhadela para desencadear um impulso violento e incontrolável que
acabará em suicídio. Ninguém é imune e ninguém sabe o que provoca essa reação
nas pessoas. Cinco anos depois do surto ter começado, restaram poucos sobrevi-
ventes, entre eles Malorie e dois filhos pequenos. Ela sonha em fugir para um
local onde a família possa ficar em segurança, mas a viagem que tem pela frente
é assustadora: uma decisão errada e eles morrerão. 

Mais informações aqui. 

3. Adicionados Recentemente: o último livro que você comprou.

Complicado. Quer dizer, faz um tempo considerável que não compro livros. Então, deixarei a resenha de um livro recente que ganhei. O livro é: O caso dos dez negrinhos/E não sobrou nenhum, da Agatha Christie.

Dez pessoas diferentes recebem um mesmo convite para passar um
fim de semana na remota Ilha do Soldado. Na primeira noite, após
o jantar, elas ouvem uma voz acusando cada uma de um crime oculto 
cometido no passado. Mortes inexplicáveis e inescapáveis então se sucedem. 
E a cada convidado eliminado, também desaparece um dos soldadinhos 
que enfeitam a mesa de jantar. Quem poderia saber dos dez crimes distintos?
Quem se arvoraria em seu juiz e carrasco? Como escapar da próxima execução?

4. Em alta: livros que todo mundo conhece (2 que você leu e 2 que você quer ou não ler).

Como eu era antes de você: É um livro que todos conhecem e a grande maioria ama. No entanto, não possuo o menor interesse/ânimo para lidar com essa história . No início, antes dele ficar famoso principalmente pelo filme, até pensei em continuar. Respeito quem gosta, mas o público-alvo dele certamente não é para mim. 

Quem é você, Alasca? Todos já ouviram e grande parte possui uma opinião formada sobre ele. Apesar das críticas negativas, é um livro que me agrada muito. Há controvérsias, coisas poderiam ter sido diferentes. No entanto, sinto-me muito mais cativada por esta história do que pela primeira. 

livro-como-eu-era-antes-de-voce04-resenha-de-livro-quem-e-voce-alasca

 

 

 

 

 

A respeito dos dois livros famosos (que ainda não li): Ambos os livros que citarei aqui são desejados por mim. 

Os treze porquês: Assisti a série e agradei-me muito. Meus amigos que leram/estão lendo encontraram diversas mudanças do livro para série. Porém, ainda assim desejo ler o livro para possuir uma visão maior da história. 

Orgulho e preconceito: Ok. No início fui preconceituosa com essa história. É um romance clichê, não deve ser grande coisa. Me desculpem. Vi diversas resenhas dele  pelo booktube e me interessei. Não é sempre que um grande grupo de pessoas compartilham da mesma opnião.

5. Comédias: um livro engraçado.

Não é meu gênero favorito. E acredito eu, é muito mais difícil fazer alguém rir do que chorar. Considerando que chorar lendo um livro é muito raro de acontecer comigo, rir é mais raro ainda. Não consigo lembrar de nenhum livro que li que tenha sido engraçado. Quer dizer, há partes engraçadas. Mas, não o livro todo. Então deixarei para vocês decidirem. 

6. Animações: um livro com desenhos na capa.

Extraordinário, de J.R Palacio. É um livro tocante. Minha vida não mudou por causa dele, mas alguns dos meus comportamentos sim. Quer dizer, é um livro que te faz pensar. Acredito que esse seja o dom de personagens crianças: pertubar (no bom sentido) os preconceitos/concepções existentes dentro de nós. 

Mais informações dele clicando aqui.

031